História

Os Ajudantes

Dizia Raul Seixas: ”O meu egoísmo é tão egoísta que o auge do meu egoísmo é querer ajudar”

Este foi um dos lemas responsáveis por juntar uma equipa de cinco pessoas, desconhecidas entre si, mas com vontade de ajudar quem mais precisa. Cinco recém-licenciados, prestes a festejar essa vitória, sentiam uma vontade enorme de mudar o mundo, mas a pensar em todos. Iniciamos esta pequena história com o cúmulo do egoísmo. Pois bem, tudo começou quando estes cinco estudantes da Universidade da Beira Interior foram convidados a ajudar os seus colegas, ao participarem numa associação que angariasse fundos financeiros para os estudantes mais desfavorecidos. Contudo, após se reunirem, os cinco estudantes descobriram que não pode ser só um a mudar o mundo, por maior que seja o seu egoísmo de querer ajudar os outros. Terão que se juntar os egoísmos de cada um na sua vontade plena de ajudar os outros para que comungando os esforços, seja possível realizá-lo Ou seja, ajudar todas as pessoas que precisarem de uma mão amiga. Porém, a ideia foi recusada.

– Mas, há mais pessoas que precisam da nossa “mão”! – Afirmaram os cinco.

Eis que decidiram ajudar, e foi reunidos num café que impuseram a sua determinação e garra de quem não desiste à primeira. Pensavam que além de proporcionarem momentos de felicidade a alguém que esteja a passar um mau bocado, ou simplesmente precise de desabafar, ajudar faz com que nos sintamos mais completos, menos egoístas.

– Vale sempre a pena ajudar, não sabemos se amanhã somos nós.

E assim foi, surgiu em maio de 2012 a AJUDAS! Associação de Jovens Unidos para o Desenvolvimento da Ação Solidária, que mais tarde, em Julho do mesmo ano, se viria a designar por AJAS – Associação de Jovens para a Ação Solidária. Aos cinco amigos, juntaram-se mais dez pessoas prontas a abdicar do seu tempo a ajudar os outros.

Os quinze jovens imediatamente começaram a sua ação! Após determinarem os seus objetivos (todos eles com a intenção de ajudar alguém) optaram por participar no MF24 – Meu Futuro em 24 horas, apresentando-se como uma equipa de empreendedorismo social cujo intuito seria apoiar cinco causas distintas, uma para cada dedo da mão que o grupo decidiu adotar como logótipo.

Recolheram assim apoios monetários e bens alimentares e materiais para distribuir pelo Fundo de Ação Social da UBI, pelo Banco Alimentar, pelos alunos da Secundária Frei Heitor Pinto, pelo Banco Tecnológico, e por fim pelas famílias monoparentais. A participação da AJAS foi um sucesso, modesta, mas enorme para aqueles que iniciaram a causa.

– Agora que conseguimos esta conquista, temos que fazer mais, temos que nos superar! – Pensaram.

E assim o fizeram! Em Outubro de 2012 participaram no Festival da Cherovia, onde conseguiram dar mais um grande passo, fundamental para a garantia de mais ajuda. Só neste evento angariaram 15 sócios. Ainda no mesmo ano organizaram campanhas de Natal, e já em 2013 a AJAS devolveu sorrisos a meninas da Casa do Menino Jesus da Covilhã ao leva-las ao teatro.

São estes pequenos gestos que nos lembram da fragilidade do ser humano. Se precisarmos de ajuda temos primeiramente que entender que encontraremos uma mão no fim do nosso braço. Contudo, não nos esqueçamos que temos duas mãos. Para quê dedica-las exclusivamente a nós mesmos? Por que não ajudar os outros? Quem sabe se um dia mais tarde não seremos nós a precisar de ajuda? Deixemos o egoísmo de parte!

A AJAS, e todas as pessoas a ela associadas, quer colaboradores como sócios, decidiram ajudar. Eu AJUDO, e TU?

Os Fundadores da AJAS: Os cinco: Joana Cardoso, Joana Pires, Amílcar Baptista, Mariana Vallejo, Ana Monteiro; Os dez: Filipa Nicolau, Sofia Faustino, Carlos Vilas Boas, Ana Carina Pires, Fernando Lopo, Filipe Quinaz, Gonçalo Gomes, Joana Madeira, Raquel Sobral e Maurício Rafael.

A AJAS funciona através de 5 subgrupos (em constante interação):

-Investigação

-Recursos Humanos

-Eventos

-Ação Social

-Marketing